• Blog Search

  • août 2020
    L Ma Me J V S D
    « nov    
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31  
  • Catégories

  • Méta


  • Google Search

  • Calendrier

    août 2020
    L Ma Me J V S D
    « nov    
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31  
  • Widgets Ready

      this space will be replaced by widgets as well as left column, only the two search boxex will remain
Sur le fil d'or de mes silences, je retrouve l'équilibre
A Casa Pia de Lisboa faz 229 anos
3 juillet 2009, dubleudansmesnuages @ 00:05

[version française]

 

memorias-de-um-casapiano.jpg

[Imagem: escultor Helder Batista
in Mémórias de um casapiano, Augusto Poiares
Jornal « O Casapiano »]

 

Quase trinta anos que voltei as costas àquela que o escritor e político, Latino Coelho chamava a Universidade Plebeia.  Quase trinta anos que, todos os anos, a nostalgia de um tempo ido, me traz sempre o mesmo nó à garganta.

Guardo da minha infância planícies de solidão e ausências de afectos, próprias àqueles que conheceram uma infância vivida na ausência dos pais

Contudo, a estas imagens veio, com o tempo, misturar-se o orgulho ter pertencido a uma das mais nobres escolas do país. Foi là que aprendi os valores de solidariedade, de tolerância e de respeito da diferença, que ainda hoje guiam a minha conduta. Uma escola onde a fraternidade não era uma palavra morta.

E mesmo se a vida sempre me levou para horizontes longinquos e nunca tenha participado nem a encontros nem a jantares de ex-alunos, não é menos verdade que longe da vista mas pertinho do coração que bate sempre com mais força, cada vez que oiço o nome daquela que me preparou para a vida.

E logo me surgem imagens da infância. Com a mesma brutalidade que a fúria do mar, nas manhãs de inverno…

Recentemente, e após um tão mediático caso de pedofilia, a Casa Pia de Lisboa, conheceu um período assaz difícil que foi (e continua a sê-lo) tratado, na sua grande maioria,  com a estupidez própria ao sensasionalismo jornalístico. Muito foi dito. Por muitos. Com a frequência própria aos ignorants que mais não procuram que ouvir o estalar do chicote das suas própias palavras sem, no entanto, se preocuparem, de facto, com a verdade.

A sua boa consciencia jornalística esquece que a pedofilia não é um fenómeno ligado às instituições, mas sim à sociedade à qual, de resto, eles também partencem. A maior parte desses jornalistas, ignora que a Casa Pia de Lisboa é bem mais do que uma mera instituição fechada entre quatro muros de cimento. Antes pelo contrário, a Casa Pia sempre foi uma instituição aberta ao mundo.

A Casa Pia são milhões de homens e mulheres. Pais, avós, filhos e netos, espalhados pelo mundo. A Casa Pia sou eu, é outro.  Aquele que não conheço, mas que é irmão da minha infância.
É esta certeza de nos reconhecermos e de falarmos as mesmas palavras, chorarmos as mesmas lágrimas e rirmos as mesmas gargalhadas, mesmo quando alguns anos separam a nossa passagem pela instituição.

E estou convicto que como eu, tantos irmãos da minha infância sofrem em silêncio tanta estupidez, fruto de um sensacionalismo estéril onde abundam rios de palavras, inúteis e gratuitas. 

Hoje, a Casa Pia de Lisboa comemora os seus 229 anos de existência.

Revejo-me uma vez mais. Como todos os anos e já lá vão praticamente trinta anos. Penso à tantos outros, irmãos da minha infância. Companheiros de recreio. Amigos de viagem. Que lhes terá reservado o tempo passado na selva da existência?

Penso e rejevo imagens longinquas e esboço um sorriso.

Todas as minhas recordações de infância nascem e morrem na Casa Pia de Lisboa. Todos os meus primeiros sonhos de vida nasceram na Casa Pia de Lisboa.  O homem que hoje sou nasceu na Casa Pia de Lisboa. E onde me encontre a Casa Pia está sempre no meu coração.  E sinto orgulho nisso.

Que a festa seja bela.

 

memorias-de-um-casapiano.jpg

 

As ideias que presidiram à fundação da Casa Pia

O período do Castelo de S. Jorge

O período do Desterro

Dos Jerónimos ao «Estado Novo»

Do Casa Pia ao Casa Pia

 


« Article précédent    Article suivant »